/10 dicas para começar o estudo indutivo da Bíblia

10 dicas para começar o estudo indutivo da Bíblia

1. Separe um momento sem distrações para ler a Bíblia.

Dois dos maiores desafios para o estudo pessoal das Escrituras se resume nestas duas palavras: ocupado e distraído. Muitos cristãos se sentem muito ocupados para estudar a Bíbla. Nós sabemos que o estudo é importante, mas ainda assim negligenciamos ouvir a voz de Deus. Do outro lado estamos distraídos demais com as notificações de nossos smartphones, mensagens, ligações, redes sociais, etc. Nossa agenda cheia e nossa atenção dividida, acabam por suprimir o tempo que deveríamos dedicar ao nosso estudo devocional, pelas manhãs e tardes.

Aqueles que desejam iniciar o estudo regular da Bíblia, ou retomar este estudo, precisam dedicar tempo de qualidade, onde os smartphones, computadores, televisores serão desligados, e nossa conexão será diretamente com a Palavra de Deus. Precisamos ter em mente que precisamos ouvir a Palavra de Deus a cada dia, e que as demais ocupações podem esperar.

2. Leia as Escrituras com um plano e propósito.

O conceito de “estudo indutivo da Bíblia” tem alguns significados. Neste breve artigo se refere ao estudo sistematico e objetivo da Palavra de Deus em seus próprios termos, observando o que o texto está relatando com relação ao seu próprio contexto, interpretando as Escrituras com as Escrituras, e aplicando a verdade da Palavra de Deus em nossas vidas. Eu gosto de explicar este processo usando o acrononimo OIA: Observar (O que a passagem esta dizendo?), Interpretar (O que eu entendi desta passagem?), e Aplicar (O que eu preciso fazer?).

Acredito que o estudo indutivo através de livros inteiros da Bíblia, é mais útil para se compreender como cada verso, paragrafo, e capitulo são construídos e contribuem para a compreensão do fluxo de pensamento e abordagem teologica do autor. Enquanto é possivel realizar o estudo indutivo em apenas um dia, em livros como Filemon e 3 João, para livros maiores precisaremos de um plano de dias e até mesmo semanas. Quer sigamos o ano bíblico, ou estudemos um livro inteiro de cada vez, um planejamento nos dará ordem e direção para nosso estudo pessoal, também nos ajudará a desenvolver bons habitos para investirmos tempo de maneira consistente e proposital na Palavra de Deus.

3. Se prepare para o estudo com oração.

Uma vez que tenhamos separado tempo e espaço de qualidade, longe de distrações e tenhamos um plano de estudo definido, nós precisaremos orar para que Deus nos de foco, atenção e ilumine nossas mentes para compreender Sua Palavra. Nós acreditamos que “toda a Escritura é inspirada por Deus” (2 Tm 3.16), portanto precisamos de ajuda sobrenatural para ler este livro sobrenatural.

Considere iniciar seu tempo regular de estudo diario da Bíblia, lendo algumas dessas orações do Salmos 119:

“Trata teu servo com bondade, para que eu viva e obedeça à tua palavra” (119:17)
“Abre meus olhos, para que eu veja as maravilhas de tua lei.” (119:18)
“Dá-me entendimento e obedecerei à tua lei; de todo o coração a porei em prática.” (119:34)
“Faze-me andar em teus mandamentos, pois neles tenho prazer.” (119:35)
“Desvia meus olhos de coisas inúteis e restaura-me por meio de tua palavra.” (119:37)

Mesmo com um plano de estudo e tempo de qualidade, nosso estudo pessoal da Bíblia não produzirá o fruto espiritual em nossas vidas, se nós não orarmos buscando auxílio de Deus para entender, acreditar e obedecer Sua Palavra.

4. Leia a Bíblia com paciência e atenção.

Nós já identificamos alguns obstáculos para o estudo pessoal das Escrituras: falta de tempo, distração, falta de orientação e falta de oração.

Uma outra dificuldade que encontramos é familiar. Muitos cristãos experientes tem lido suas Bíblias por anos e ouvido inúmeras pregações, ou estudado lições bíblicas a fio. Portanto é fácil cair no mau hábito ou permitir que o estudo pessoal da Bíblia caia na rotina, simplesmente porque estamos familiarizados com a história e conteúdo da Bíblia.

Nós precisamos ter calma e ler cuidadosamente, persistentemente e meditando na Palavra de Deus. Nós precisamos também ler de maneira atenciosa, notando os detalhes, a lógica, e as nuances do texto. Precisamos ser estimulados e lembrados novamente do que a Palavra de Deus diz quando procuramos acreditar nas promessas de Deus, lutar contra o pecado e seguir a Cristo todos os dias (2Pe 1:12). Quando “olhamos” ou observamos o que as Escrituras dizem, queremos saber exatamente o que o texto diz e ver mais do que vimos anteriormente.

5. Faça boas perguntas enquanto você lê a passagem.

Avanços nos estudo pessoal da Bíblia, geralmente começam com perguntas e a observação cuidadosa do texto e seu contexto, algumas perguntas que precisam ser feitas ao texto: Quem? O que? Quando? Onde? Por que? Como?

Por exemplo, se nós estamos estudando Filipenses, nós podemos fazer várias perguntas sobre o verso de abertura.

A qual genero literário (tipo de escrita: narrativa, poesia, carta etc.) pertence esta passagem?

Filipenses começa como a maioria das cartas do Novo Testamento, mencionando o autor e os destinatários, seguida por uma oração de ações de graças.

Quem esta enviando esta carta?

O verso 1 nos oferece uma resposta inicial: Paulo e Timóteo. Ainda no inicio da carta, no verso 3, o autor escreve usando a primeira pessoa do singular (Eu, eu, e meu), o que sugere que Paulo é o principal autor desta carta. Se nós continuarmos lendo, descobriremos que Paulo escreve enquanto está preso (Fp 1.12-14) e tem planos de enviar Timóteo para visitar estes irmãos na fé em breve (2.19-24).

Como são descritos aqueles que estão enviando a carta?

Eles são “servos de Jesus Cristo” (1.1), o que antecipa a referencia a Jesus, Ele próprio como quem ”assumiu posição de servo” em 2.7.

Onde fica Filipos?

De acordo com Atos 16.12, é uma “cidade importante da região da Macedonia e colonia Romana,” por onde Paulo e Silas passaram em suas viagens missionárias, onde também foram perseguidos e presos. O povo de Filipos estava orgulhoso da importância de sua cidade e cidadania romana, mas Paulo chama a igreja para “se comportar como cidadãos dignos do evangelho” (1:27) e lembra-los de sua cidadania celestial e lealdade final a Jesus (3:20).

Por que Paulo dá graças a Deus?

A conjunção “porque/pois” no versículo 5 introduz a razão da gratidão de Paulo no versículo 3: “Eu agradeço a meu Deus … por causa de sua cooperação na propagação do evangelho desde o primeiro dia até agora.” O apóstolo depois explica como os filipenses eram a única igreja para compartilhar o problema de Paulo e fazer parceria com ele “em dar e receber” (4:14-15). Paulo exala amor e afeição por esses queridos santos (ver 1:7–8) constantemente e com alegria agradece a Deus por eles.

Fazer boas perguntas nos ajuda a ser leitores ativos e nos ajuda a descobrir novos insights até mesmo em passagens familiares.

6. Estude palavras que se repetem e temas-chave.

Uma das minhas estratégias favoritas quando realizo meu estudo indutivo, é destacar palavras que se repetem e temas-chave em um livro bíblico. Estudar com marcadores de texto e um caderno de anotações em mãos tem grandes benefícios.

Primeiro, faz com que nós estejamos mais atentos ao estudo do texto. Segundo, nos leva a olhar para novas palavras e temas que nós anteriormente não destacamos. Terceiro, destacar palavras repetidas, frases e temas, nos ajuda a apreciar melhor a ênfase dada pelo autor bíblico.

No meu estudo pessoal, eu decidi focar em palavras e temas particulares para cada livro da bíblia. Por exemplo, para Isaias, eu usei uma cor para “santo” e “o Santo de Israel” e outra para “salvação”. Em Jeremias, eu traço as imagens de julgamento e restauração introduzidas na comissão do profeta “para arrancar e quebrar … para edificar e plantar ”(Jr 1:10). Em Ezequiel, destacar as palavras me levou a identificar as setenta e duas vezes que Deus declara que as pessoas “saberão que eu sou o SENHOR”. Em Daniel, eu destaquei os temas de “sabedoria” e “entendimento”, bem como “reino” e “domínio”. Em Oséias, sublinho as repetidas referências à “prostituição”, “adultério” e expressões relacionadas.

Veja como os verbos confiar, receber e ganhar se repetem ao longo da parábola dos talentos revelando o que se espera dos servos fiéis do reino de Deus.

Eu gosto de marcar minha Bíblia de Estudo e o Novo Testamento Grego. Outros leitores podem preferir imprimir cópias limpas do texto bíblico para estudar ou usar os recursos de destaque em www.esv.org ou um programa de software da Bíblia. Qualquer que seja sua preferência, destacar palavras é uma estratégia simples, mas eficaz, para estudar a Bíblia indutivamente.

7. Siga o fluxo de pensamento dos autores biblicos.

O estudo bíblico indutivo exige que sejamos bons leitores, que procuram seguir o fluxo de pensamento dos autores bíblicos. As palavras, cláusulas, sentenças e parágrafos em cada passagem não chegam a nós como afirmações isoladas de verdades, mas estão ligadas em uma ordem lógica clara. Bons leitores devem distinguir entre cláusulas principais e cláusulas de apoio e devem prestar especial atenção às conjunções, a fim de localizar o ponto principal do autor e os pontos de apoio.

Por exemplo:

e – liga duas instruções paralelas juntas.
mas – introduz um contraste com a afirmação anterior.
por e porque – introduzem razões para o que precede.
portanto – introduz uma inferência baseada em material anterior.
se – introduz uma declaração condicional.
como – introduz uma comparação.
para que ou que – introduzam declarações de propósito.

Nas minhas aulas de seminário, preparação de sermões e estudo pessoal, uso regularmente os métodos “arcos” e “fraseado” para traçar o fluxo de pensamento do autor, particularmente ao estudar as cartas do NT.

Para explicações e exemplos dessas abordagens, veja biblearc.com.

8. Consulte referencias cruzadas para interpretar Escritura com Escritura.

A coluna ou rodapé de referências cruzadas impressas em muitas Bíblias e disponível em esv.org é um recurso incrivelmente útil para o estudo bíblico indutivo. Essas referências cruzadas, sinalizadas por letras sobrescritas antes de uma palavra ou frase no texto, apontam os leitores para uma das quatro possíveis conexões entre textos bíblicos: (1) uma citação do AT no NT, (2) uma referência a palavras específicas ou frases, (3) uma referência ao mesmo tema, ou (4) uma referência menos direta a um tema similar.

Por exemplo, se estamos estudando Marcos, vemos um número de referências cruzadas nos versículos iniciais. O versículo 1 se refere a Jesus como “o Filho de Deus”, e uma referência cruzada direciona os leitores para Mateus 14:33, onde 11 Escrituras adicionais são listadas que informam nossa compreensão deste importante título. As referências cruzadas nos versículos 2 indicam passagens paralelas em Mateus e Lucas e indicam que Marcos está citando o AT (Malaquias 3:1). As referências cruzadas no versículo 3 indicam aos leitores que Marcos está citando Isaías 40:3 e destacam duas passagens paralelas adicionais em João e Lucas. Essas referências cruzadas nos ajudam a interpretar as Escrituras com as Escrituras.

9. Conecte cada texto aos evangelhos e a história mais ampla da Bíblia.

Para interpretar e aplicar corretamente um texto bíblico, é crucial ter em mente onde ele se encaixa na história maior da Bíblia. No começo, Deus criou o mundo dele e foi muito bom. Então o pecado trouxe desordem, devastação e morte para o mundo e a humanidade de Deus. O AT retrata a paciência de Deus com seu povo rebelde de aliança e suas promessas de resgatar os pecadores e restaurar seu mundo destruído. O NT anuncia que Deus cumpriu suas promessas antigas enviando Jesus Cristo, nosso Salvador. Os Evangelhos narram a vida, a morte e a ressurreição do Salvador e do Rei Jesus Cristo. Atos registra como os seguidores de Jesus continuam sua missão proclamando o evangelho no poder do Espírito Santo entre todas as nações. As epístolas fornecem instruções apostólicas para os crentes que vivem entre a primeira e segunda vinda de Jesus.

Acredito que o cuidadoso estudo bíblico indutivo e a teologia bíblica centrada em Cristo estejam juntos. Quando situamos cada livro dentro da narrativa abrangente da Bíblia, vemos que toda a Escritura é proveitosa e relevante para os crentes de hoje. Por exemplo, planos de leitura da Bíblia bem intencionados muitas vezes descarrilaram em Levítico. Este livro parece para muitos cristãos contemporâneos (pelo menos na América do Norte e na Europa) estarem longe de nossas vidas. No entanto, Levítico fornece o contexto bíblico essencial para compreender o sacrifício de Cristo para fazer expiação pelos nossos pecados, a sua intercessão sacerdotal pelo seu povo e os mandamentos fundamentais para “amar ao próximo como a si mesmo” (Lev. 19:18; Rm 13:9) e “sê santos, porque eu sou santo” (Levítico 11:45; 1 Pedro 1:16).

Sugiro fazer três perguntas para interpretar e aplicar cada texto à luz do evangelho de Jesus Cristo:

Como essa passagem da Escritura se prepara para o evangelho de Jesus Cristo ou extrai suas implicações?
Como essa passagem me ajuda a entender e a acreditar no evangelho?
Como esta passagem me chama para viver como um seguidor de Jesus?

10. Transforme o texto que você esta estudando em uma oração.

A oração é essencial para o estudo pessoal e eficaz da Bíblia, porque nosso objetivo não é simplesmente aprender novas informações, mas ser transformados pela Palavra de Deus. A oração é provavelmente a maneira mais básica pela qual respondemos corretamente e aplicamos o que lemos. Podemos transformar uma passagem da Escritura em oração de volta a Deus:

Louve a Deus por quem ele é e pelo que ele fez. Pai, você é o juiz sagrado de todas as pessoas. No entanto, você não nos tratou como nossos pecados merecem, mas você nos resgatou pelo precioso sangue de seu próprio filho. Obrigado Senhor! (1 Ped. 1:17–19)

Confesse seus pecados que a sua Palavra revela. Senhor, a sua palavra nos chama a sermos santos em toda a nossa conduta, mas nós falhamos em nossas ações, nossas palavras e nossos pensamentos. Perdoa-nos, Pai. (1 Ped. 1: 14–16)

Peça a Deus por novas misericórdias e ajuda. Senhor, queremos acreditar nas boas novas que nos foram pregadas. Precisamos da sua ajuda para eliminar a hipocrisia, a inveja e outros pecados que o desonram. Dê-nos poder para proclamar suas excelências, para que os outros saibam sua misericórdia salvadora. (1 Ped. 1:25–2:10)

Orar através das Escrituras nos ajuda a evitar petições superficiais ou auto-centradas.

Nos ajuda a internalizar e meditar nas verdades de Deus e nos guia a orar de acordo com a vontade dele. E a oração das Escrituras nos leva a uma comunhão mais profunda, prazer e obediência ao nosso glorioso Deus que graciosamente nos deu sua Palavra.

Artigo original publicado em: https://www.crossway.org/articles/10-tips-for-getting-started-with-inductive-bible-study/

 

Este artigo foi útil?

Pregador e instrutor bíblico, historiador e editor do site http://pregandoapalavra.com.br