A centralidade de Cristo na pregação

Centralidade de Cristo na pregação


COMPARTILHE

O pregador cristão, quer esteja pregando a partir do AT, quer do NT, deve apresentar Cristo como o referencial

Um foco crítico para várias dessas questões hermenêuticas é a própria questão prática de quando Cristo deve ser pregado no AT. “Ouço poucos sermões sobre Jesus” diz o início de um recente e interessante lamento da ala liberal.” O pregador cristão, quer esteja pregando a partir do AT, quer do NT, deve apresentar Cristo como o referencial. O pregador cristão não pode pregar nenhum texto do AT como se fosse um rabino, porque o cumprimento das promessas se deu em Cristo, e vivemos debaixo da nova aliança. O pregador cristão tem um caso de amor eterno com o AT, a Bíblia que Cristo e os apóstolos tanto prezavam. A nossa pregação de qualquer parte das Escrituras deve inserir-se dentro de uma clara percepção do constructo [construção mental] teológico e, para o pregador cristão, esse constructo é cristocêntrico.

Nesse sentido, toda pregação bíblica é doutrinária. A nossa pregação está dentro de um sistema de compreensão. Esse constructo teológico deve ser o produto da exegese, da teologia bíblica, da teologia histórica e da teologia sistemática. A fraqueza da pregação sem essa consciência de construção é dolorosa para a congregação com o passar do tempo, embora talvez os membros não sejam capazes de mostrar exatamente qual é o problema. A falta de continuidade e coesão e a incoerência geral encontrada em muitas pregações somente ratificam que, embora haja análise, não tem havido uma quantidade significativa de síntese.

As promessas do Antigo Testamento se cumprem em Cristo

A Declaração de Chicago sobre a Hermenêutica Bíblica (1982) afirma de maneira inequívoca: “A pessoa e a obra de Jesus Cristo são o foco central de toda a Bíblia. Afirmamos que não é correto nenhum método de interpretação que rejeite ou obscureça a centralidade de Cristo na Bíblia”. É desse modo que nosso Senhor via as Escrituras do AT: “E começando por Moisés e todos os profetas, explicou-lhes o que constava a respeito dele em todas as Escrituras” (Lc 24.27). Jesus disse sobre o AT: “São as Escrituras que testemunham a meu respeito” (Jo 5.39). Os pregadores apostólicos viram o cumprimento do AT em Cristo e pregaram a Cristo conforme ele foi anunciado no AT (At 2.31; 3.24,25; 8.35 e outras passagens). Paulo via o AT de maneira cristológica (2Co 1.20). Hebreus é um exemplo particularmente vivo de enxergar o AT a partir da plenitude da revelação em Cristo presente no NT (p.ex. Hb 10.7).

A pessoa e a obra de Jesus Cristo são o foco central de toda a Bíblia.

Não possuímos um manual de interpretação do AT escrito pelos apóstolos, como Richard N. Longnecker mostrou tão brilhantemente na obra Biblical exegesis in the apostolic period [Exegese bíblica no período apostólico]. Mais uma vez ficamos impressionados com o fato de que a hermenêutica nāo é uma ciência exata. O que está claro é que Jesus Cristo, como o unigênito filho de Deus, está no centro do “eterno plano” de Deus. É a vontade de Deus que “em tudo [Cristo] tenha a supremacia” (Cl 1.18). É o contínuo e fiel ministério do Espírito Santo para glorificar e dar testemunho de Cristo. Ele é o único caminho para o Pai, o único e suficiente mediador, por meio de quem podemos ser salvos, como se afirma em João 14.6, 1Timóteo 2.5 e Atos 4.12.

Um sermão sem Jesus é um jardim sem flores.

Desse modo, Paulo insistia frequentemente que pregava a Jesus Cristo, o Senhor crucificado. O tema mais perfeito do pregador cristão deve ser o Senhor Jesus Cristo. Charles Haddon Spurgeon disse que a verdadeira magnificência da pregação é exaltar nela a pessoa de Cristo. A história da pregação corrobora a alegação de Ronald Ward: “Se o pregador se abstém de comunicar a Cristo, ele não está pregando”. O que era verdadeiro para os pais da igreja, os reformadores, os puritanos, para John Wesley e Alexander Maclaren não é menos verdadeiro para nós. Um sermão sem Jesus é um jardim sem flores.

Excerto da obra Anatomia da Pregação


COMPARTILHE

ARTIGOS RELACIONADOS

Você também pode se interessar por

Pregacao no poder do Espírito

Pregando no poder do Espírito Santo

Muitas vezes o pregador pode ser tentado a confiar mais em suas técnicas de pregação, do que no poder do Espírito Santo. Hermenêutica, Exegese e

Como fazer uma pregação poderosa

Todo poder de uma pregação poderosa reside no Salvador Todo-Poderoso e não no pregador, este é um elemento básico para se pregar com poder.